Itaguaí no Rio protege mangues e rejeita exportação de ferro - Noticias Tecnologica
Site Overlay

Itaguaí no Rio protege mangues e rejeita exportação de ferro

Itaguaí no Rio protege mangues e rejeita exportação de ferro. A fim de proteger o meio ambiente. Itaguaí rejeita expandir exportações de ferro. Confira no Tecno-notícias  e iniciaram o plantio de aproximadamente 13 mil diferentes espécies de muda nativas da região de manguezal para recuperação de áreas degradadas.

Continua depois da publicidade

Itaguaí no Rio protege mangues e rejeita exportação de ferro

Dessa forma, a cidade localizada no litoral sul do estado do Rio de Janeiro, Itaguaí iniciou processo de recuperação de vários manguezais da região. Assim, a área total devastada chega a aproximadamente 6 mil hectares. Isso quer dizer que se calcularmos como referência campos de futebol chegamos ao número de 6 mil campos.

E com o foco na recuperação dessas áreas. Assim, a prefeitura negou a expansão do terminal que realiza exportação de minério de ferro. Segundo a prefeitura, caso autorize esta ação. Poderia trazer problemas sérios para a cidade e acabar de vez com os manguezais.

Continua depois da publicidade

Prejuízo ao meio ambiente

Rubem Vieira atual prefeito da cidade, vem semanalmente realizando manobras para impedir a expansão do terminal. Que exporta ferro para diversos locais do mundo. Rubem alega que a atividade de minério já causa grandes problemas.

Segundo o prefeito a Baia de Sepetiba tem como causa principal de sua poluição as atividades de exportação de ferro. A maior quantidade do minério de ferro utilizado no Porto de Itaguaí vem diretamente de Minas Gerais.

Sem apoio para amenizar os danos

A prefeitura de Itaguaí declara sua indignação sem qualquer apoio das empresas que operam o terminal de exportação. Para amenizar danos causados por eles mesmo ao meio ambiente da cidade.

Então o prefeito informou que por conta de uma lei. Itaguaí não recebe nenhum tipo de arrecadação por conta da atividade de minério. Já que as leis federais sinalizam que apenas o estado de origem do produto recebe impostos pela atividade realizada.

Por fim, neste caso Minas Gerais é quem recebe todo o imposto, enquanto o Itaguaí não vê nenhum centavo deste dinheiro. Desse modo, outro ponto levantado é que os empregos gerados no terminal são muito poucos. Assim não compensam o estrago causado a famílias que vivem do manguezal.